Os cookies são utilizados para poder oferecer-lhe a melhor experiência ao visitar o nosso site. O nosso site utiliza cookies que podem incluir cookies terceiros para enviar-lhe publicidade interessante para si. O nosso site pode incluir também cookies de terceiros. Para mais informações: .                     
                     Al continuar su visita en el sitio web, usted autoriza el uso de las cookies.

MaseratiMulti70 termina a Transpac Race em Honolulu no terceiro lugar

A tripulação de Giovanni Soldini chegou às 11h18m55s (hora italiana) de 11 de Julho.

Foram necessários 4 dias, 12 horas, 48 minutos e 55 segundos para terminar a regata de 2225 milhas que ligou Los Angeles ao Havai.

O MaseratiMulti70 de Giovanni Soldini cruzou a linha de chegada da Transpac em Honolulu, sob uma lua cheia, às 11h18m55s de 11 de julho, hora italiana (23h18m55s de 10 de julho no Havai).

As condições de vento durante a regata de 2225 milhas situaram-se entre os 13 e os 21 nós, excelentes para uma navegação a alta velocidade dos multicascos. A equipa de Soldini fez bom uso da capacidade do MaseratiMulti70’s para voar acima das águas graças aos seus hidrofólios e, no segundo dia no mar, estava na frente dos seus principais rivais – os trimarãs sem fólios norte-americanos Phaedo3 e Mighty Merloe.

Contudo, a situação alterou-se no domingo, quando o leme de bombordo do MaseratiMulti70 ficou destruído devido a uma colisão no escuro com um detrito sólido não identificado. A tripulação imobilizou o barco e, apesar dos fortes ventos e do mar agitado, logrou recuperar a lâmina do leme partida, que se manteve presa ao barco através de um cabo de comando.

Tivemos sorte em conseguir salvar o leme” afirmou Soldini. “Demorou bastante tempo até que dois de nós conseguíssemos puxá-lo para junto do barco. Estava a saltar atrás de nós por entre as ondas, como se fosse um peixe grande. Acabámos por nos aproximar o suficiente para atá-lo a um molinete e puxa-lo para bordo”.

Demorou um pouco mais de uma hora até que o barco italiano estivesse de volta à regata, e, ainda que limitado pelo leme de bombordo em falta, conseguiu navegar a toda a velocidade de estibordo. Os velejadores levaram o barco aos seus limites, tentando recuperar algumas das milhas perdidas para os seus rivais, e a certo ponto pareciam estar a ganhar terreno. Contudo, no final, acabaram por ter que se contentar com o terceiro lugar obtido na chegada ao Havai.

Soldini referiu que a tripulação estava cansada, mas feliz por ter chegado em segurança ao Havai. Mas também desapontada por ter perdido tanto tempo e distância com o leme partido.  

Estamos um pouco tristes por termos perdido tanto por causa do ele” afirmou. “Penso que fizemos uma boa regata até então, e estávamos a gostar da batalha com os outros dois rivais. Perdemos uma hora a recupera-lo – o que representa 25 milhas nestes multicascos”.

Depois disso, estávamos mais lentos, pelo menos, quatro nós devido à ausência do leme daquele lado, e, quando o leme central perde aderência, o barco roda e tem que se folgar completamente todas as velas para que volte a progredir. Demora-se cerca de 20 minutos a recuperar, e isso sucedeu, pelo menos, quinze vezes”.

Embora não tenha alcançado o resultado que procurava, a tripulação do navegou um total de 2636 milhas na travessia de quatro dias e meio, e teve a oportunidade de recolher uma enorme quantidade de dados preciosos que contribuirão para a sua demanda de dominar por completo a arte da navegação com fólios ao largo.

Foi a nossa primeira regata com o barco a poder voar de ambos os lados” explicou Soldini. “Aprendemos muitas coisas novas acerca de como navegar com o barco, e agora temos uma quantidade enorme de dados para analisar informaticamente. O nosso objetivo é construir uma tabela precisa que nos ajude a definir melhor quais são os melhores momentos para voar, e para não o fazer”.

Estamos comprometidos com o conceito de um barco voador oceânico, e mais do que nunca convencidos que é aqui que reside o futuro das regatas oceânicas. Temos, agora, de refletir sobre como lidar com o risco de detritos oceânicos poderem danificar os lemes, e temos alguma ideias inovadoras a ponderar”.

O desafio conta com o apoio da Maserati, que, enquanto principal patrocinador, dá o nome ao barco, e da UnipolSai Assicurazioni na qualidade de patrocinador.

Os fornecedores oficiais do desafio são a Ermenegildo Zegna para o vestuário e a Boero Bartolomeo S.p.Apara os esmaltes e pintura do casco.

 

Siga o desafio em:

www.maserati.soldini.it

Facebook - Giovanni Soldini Pagina Ufficiale

Twitter @giovannisoldini 

Instagram @giosoldini 

 

Para mais informações:

IMAGINA tel +39 02 29403573

Barbara Sanicola cell +39 333 3905243 barbara.sanicola@studio-imagina.it

Umberta Croce cell +39 335 8021171 umberta.croce@studio-imagina.it

www.studio-imagina.it

 

Encontre o seu site local