Este website utiliza cookies de perfil de terceiros para fornecer serviços de acordo com as preferências que revelar enquanto navega no Website. Ao continuar a navegar neste Website, está a indicar que concorda com o uso desses cookies. Se pretende opor-se a tal processamento, leia as instruções descritas na nossa Política de Cookies.
Permitir todos os cookies

Maserati Multi 70 é o novo detentor do recorde da navegação Hong Kong-Londres
Giovanni Soldini e a sua tripulação superaram o desafio da Rota do Chá em 36 dias, 2 horas e 37 minutos

Conseguiram. Às 13h20'26” UTC, o Maserati Multi 70 cruzou a linha de chegada da Rota do Chá entre Hong Kong e Londres, passando sob a ponte Queen Elizabeth II. Giovanni Soldini e a tripulação do trimarã, composta por Guido Broggi, Sébastien Audigane, Oliver Herrera Pérez e Alex Pella, demoraram 36 dias, 2 horas e 37 minutos a percorrer as 13.000 milhas náuticas da rota teórica entre o porto chinês e a capital do Reino Unido. Melhoraram o recorde em quase uma semana (5 dias e 19 horas), anteriormente pertença do Gitana 13, o maxi catamarã de 100 pés que percorreu a rota em 41 dias em 2008. O trimarã realizou um trajeto de 15 083 milhas a uma velocidade média de 17,4 nós.

Após cruzar a linha de chegada, o skipper Giovanni Soldini referiu: ''Estamos extremamente contentes, mas também extremadamente cansados. As últimas 48 horas foram muito duras. Na Mancha encontramos muito vento, um mar revolto e um frio enorme. Mas batemos o recorde, e por larga margem: tomamos a decisão correta relativamente à rota. A parte mais difícil foi, sem dúvida, a última: com condições meteorológicas mais favoráveis no Atlântico, poderíamos ter ganhos mais três ou quatro dias, mas estamos contentes assim. Tecnicamente, o barco está perfeito: percorremos cerca de 19 000 milhas desde a última vez que saímos do estaleiro, e tudo está muito bem: por detrás disto está uma preparação impecável, obrigado a Guido Broggi e ao resto da tripulação, realmente uma equipa fantástica”.

A aguardar pela oficialização do recorde pelo World Sailing Speed Record Council, a organização que valida os registos oceânicos, aqui fica o resumo da Rota do Chá, dia-a-dia.

Bordejando no Mar do Sul da China

Após iniciar a rota a 18 de janeiro, nos dois primeiros dias, a tripulação aproveita o vento de NE, realizando uma série de bordos para aproximar-se do extremo sul do Vietname. No terceiro dia, negoceia-se uma primeira transição com pouco vento em Singapura. No quarto e quinto dias, a tripulação ainda navega com vento franco para passar o estreito de Sonda e entrar no Oceano Índico com uma vantagem de dois dias sobre o recorde do Gitana 13.
 

“Sempre a fundo” no Oceano Índico, apesar de tudo

No sexto dia, o primeiro no Oceano Índico, supera-se uma depressão tropical situada no sudoeste de Sumatra.

Desde o sétimo ao novo dia, o Maserati Multi 70 navega com sotavento a alta velocidade, na rota direta nos ventos alísios de sudeste do hemisfério sul, registando-se o melhor dia de navegação, com 644 milhas percorridas em 24 horas.

Ao décimo dia, rompe-se o leme do casco direito após uma colisão com um objeto flutuante.

Ao décimo primeiro, a porta do leme partida é substituída. A vantagem do Maserati Multi 70 alcança o seu mínimo, quedando-se abaixo das 250 milhas.

No décimo segundo dia, a rota abandona os ventos alísios e supera um centro de altas pressões.

Os três dias seguintes caraterizam-se pela passagem de três frentes frias. O Maserati Multi 70 alcança as latitudes mais meridionais da rota, em torno de 38°S.

É superado o Cabo da Boa Esperança no décimo sexto dia, com uma vantagem de cinco dias sobre o Gitana 13.

O Atlântico Sul através da vertente africana

A passagem do Atlântico Sul começa por sotavento.

No décimo nono dia, escolhe-se a opção Este para passar o Equador.

Do vigésimo ao vigésimo terceiro dia, o Maserati Multi 70 dirige-se para a África Ocidental seguindo a rota direta, cruzando o Golfo da Guiné.

O Equador é cruzado no vigésimo segundo dia. A vantagem do Maserati alcança o seu máximo, com 2046 milhas.

Uma rota pouco usual também no Atlântico Norte

Uma inesperada bolha de frente fraco abranda a chegada à Serra Leoa no dia 23. É necessário superar a estagnação e uma depressão tropical estacionária junto à costa. A situação da alta pressão do Açores mantém-se atípica, é verdadeiramente impossível evitá-la supera-la passando para Oeste, mantém-se a opção oriental.

Do vigésimo quinto ao trigésimo dia, o Maserati Multi 70 adota vários rumos ao longo das costas da África Ocidental até chegar às Ilhas Canárias. A vantagem mantém-se estável, em torno das 1200 milhas.


No trigésimo primeiro dia, tem início a fase de navegação à bolina contra uma brisa de NE. O Maserati Multi 70 aproxima-se da costa de Portugal, e a seguir de Finisterra até à costa.

O barco navega muito rapidamente na segunda parte da passagem do Golfo da Biscaia.

O Canal da Mancha à bolina e o Tamisa à popa

O Maserati Multi 70 entra no Canal da Mancha antes do amanhecer de 22 de fevereiro. O vigésimo quinto dia de navegação inicia-se entre a Cornualha e a Bretanha, e prossegue rumo à costa sul de Inglaterra, antes de retomar a sequência de rumos ao longo da linha de costa, com um frio extremo. No dia seguinte, manhã bem cedo, o trimarã entra no Estreito de Dover e roda para o sudeste de Inglaterra, para começar a subir o estuário do Tamisa, até chegar à ponte Queen Elizabeth II.

Cruza a linha de chegada a 23 de fevereiro, às 13:20 UTC.

Para acompanhar o desafio ao vivo, visite a cartografia em maserati.soldini.it/cartography/

O desafio conta com o apoio da Maserati, patrocinador principal que dá nome ao trimarã, e da Aon como copatrocinador, juntamente com o fornecedor oficial de vestuário, Ermenegildo Zegna.

Um agradecimento especial também a Boero Bartolomeo S.p.A. e Contship Italia Group.


 

Para mais informações sobre o desafio:

www.maserati.soldini.it

Facebook - Giovanni Soldini official page

Twitter @giovannisoldini 

Instagram @giovanni_soldini 

Youtube www.youtube.com/user/GiovanniSoldini

 

Encontre o seu site local